Carol Viesi

Dizem que quando a sagrada família fugiu para o Egito com Maria levando em seus braços o menino Jesus, as flores do caminho iam se abrindo à medida que eles passavam por elas. O lilás ergueu seus galhos orgulhosos e emplumados, o lírio abriu seu cálice. O alecrim, sem pétalas nem beleza, entristeceu lamentando não poder agradar o menino.

Cansada, Maria parou à beira do Rio e, enquanto a criança dormia, lavou suas roupinhas. Em seguida, olhou a seu redor, procurando um lugar para estendê-las.

- O lírio quebrará sob o peso, e o lilás é alto demais. Colocou-as então sobre o alecrim e ele suspirou de alegria, agradeceu de coração a nova oportunidade e as sustentou ao Sol durante toda a manhã.

- Obrigada, gentil alecrim! - disse Maria. - Daqui por diante ostentarás flores azuis para recordarem o manto azul que estou usando. E não são apenas flores te dou em agradecimento, mas todos os galhos que sustentaram as roupas do pequeno Jesus serão aromáticos.

“Eu abençoo folha, caule e flor, que a partir deste instante terão aroma de santidade e emanarão alegria”.

Alecrim traz foco, presença, alinhamento com propósito de vida. Acalma aquela mente turbulenta e bagunçada. É analgésico, anti-inflamatório, antifungico e antimicrobiano.

Use em legumes assados, junto com homus de grão de bico, pães caseiros, ou coloque alguns raminhos dentro da garrafa de azeite de oliva ;)

Para cansaços extremos, logo ao acordar, tome um banho com chá de alecrim, do pescoço para baixo (só ferver a água e deixar os ramos de alecrim em infusão por 10 minutos, coar, deixar esfriar e, após o banho, despejar esse chá pelo corpo).

Lembrando, sempre consulte um profissional especializado para outros usos como óleos essenciais e outros tipos de ingestão, pois mesmo as plantinhas inofensivas possuem muitas propriedades bioquímicas que devem ser levadas em consideração.

Qual a sua erva aromática preferida?

Compartilhe:

Deixe uma resposta

Fechar Menu